Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

O optimismo constrói-se

“Eu não sou mestre do mundo, mas sou, pelo menos, mestre da representação que tenho dele.”

 

                                                                                              Michel Lacroix

 

O optimismo é, em grande parte, fruto de um trabalho sobre nós próprios. Mesmo que a pessoa não tenha uma história de optimismo, geneticamente determinada, pode desenvolver essa força interior em qualquer momento da vida. Cultivar o lado bom das coisas, saborear os pequenos nadas… Ou seja, podemos aprender e treinar o optimismo. Podemos construi-lo, portanto.

Não me refiro a um optimismo irrealista que vê tudo cor-de-rosa. Refiro-me à construção de um estado de espírito inteligentemente positivo em que se vêem as dificuldades, mas se procuram as soluções. É sabido que às vezes, por mais que nos esforcemos e empenhemos, as coisas não resultam como desejaríamos. É justamente aqui que o optimismo se revela: Recomeçamos, perseveramos. Vemos oportunidades de aprendizagem nas dificuldades. Face a um problema, agimos para tentar resolve-lo e descobrimos o seu lado positivo.

O optimismo é uma atitude de confiança na existência. Não se limita a uma atitude mental (confiança no futuro). Traduz-se também em estratégias que se adaptam à resolução de problemas. É de pensamento e acção. Face ao incerto, parte-se do princípio que há uma saída favorável e age-se para facilitá-la.

Vivemos num mundo muito crítico que tem quase sempre a dizer mais mal que bem. Há tendência para reparar mais nos erros do que nos acertos; nos fracassos do que nos sucessos. Raramente nos debruçamos sobre o bom e positivo da vida, pouco partilhamos as vitórias. É justamente contra esta tentação para o negativismo que devemos lutar, cultivando o lado bom da existência, valorizando as oportunidades de felicidade, abrindo os olhos para todos os momentos de bem-estar.

 

Soube-me bem: Ver a apresentação dos trabalhos dos meus alunos no âmbito da publicidade.

 

Foi inspirador: O dia de hoje. Passei da Primavera de uma geração, com toda aquela criatividade e energia, para o Outono/Inverno de outra, com aquele sorriso  tranquilo perante a existência,  quando saí das minhas aulas para assistir à sessão de abertura do novo ano lectivo na "Nova Atena". Foi inspirador sentir que a "estruturação do tecido social" é possível.

 

Agradeço: "O futuro com passado."

 

 

 

 

tags:
publicado por descobrirafelicidade às 17:40
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Caminhando... a 16 de Outubro de 2009 às 21:38
Olá Amiga Teresa :)

Mais um belissimo post que aqui nos deixas!!

Penso que esse é o grande problema/entrave à felicidade de muita gente: não dar valor às coisas que possui agora: as pessoas com as quais convive, o trabalho que tem, etc. Quere-se sempre mais e mais, fazendo com que, esta onda de constante insatisfação faça com que o optimismo e a alegria de viver não surjam.

Penso que para que consigamos ser optimistas temos de encontrar uma certa paz interior para que consigamos sentir, ouvir, cheirar, e no fundo valorizar tudo o que nos rodeia, tornando-nos assim agradecidos e, optimistas relativamente ao que poderá vir!
Para que sejamos optimistas temos de ter o coração um pouco confortado pois, de coração vazio é um pouco dificil o sorriso aparecer (acredito e julgo eu!)

Um abraço carinhoso e com votos de um optimo fim de semana!
De descobrirafelicidade a 17 de Outubro de 2009 às 18:25
Joana
Tão bonito isto que disseste: "Para que sejamos optimistas temos de ter o coração um pouco confortado pois, de coração vazio é um pouco dificil o sorriso aparecer. " Esta capacidade que mostras em apreciar tudo o que te rodeia deixa um sorriso no meu coração e as palavras que me deixas um grande conforto na alma. Um abraço afectuoso para ti
De Caminhando... a 17 de Outubro de 2009 às 21:05
Olá :)
Antes de mais, peço imensa desculpa pela "calinada" que dei ao escrever: "Quer-se" era o que queria escrever!!

Quero agradecer-te pelas palavras e dizer-te que, ao ler o teu post, deste-me a vontade de escrever sobre este mesmo tema no meu cantinho :) Obrigada.

Um abraço grande!
De descobrirafelicidade a 17 de Outubro de 2009 às 22:24
Joana
Não tinha reparado na "calinada" e não tinha importância nenhuma, mas entendo a tua preocupação porque também fico danada quando, nas pressas e sem a atenção devida, me saem destas. Vou fazer-te uma visita.

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Portfolio da felicidade

Amizade, respeito e liber...

Magnolia

Recursos emocionais renov...

Três lições do Tao

A bagagem da outra pessoa

Nostalgia

Encontrar o nosso "apelo ...

Coerência interna

Autonomia interior

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009



“Tenho uma missão, embora pequena: Ajudar outros que, como eu, andam à procura, quanto mais não seja pelo facto de lhes garantir que não estão sós.”

Herman Hesse

tags

todas as tags