Domingo, 28 de Março de 2010

Aprender

“As únicas metas realmente importantes para a nossa vida são aprender a amar os outros e adquirir conhecimentos.”

Sogyal Rinpoche

 

“Aprender é fazer de si um ser humano.”

Zhang Zai

 

Tornar-se humano é construir-se a si mesmo: Uma necessidade interna, um longo e difícil percurso. Em primeiro lugar, há que tomar consciência das nossas potencialidades. Depois, devemos aplicar-nos em desenvolve-las durante toda a nossa vida.

O confucionismo pretende, pela educação, pelos bons princípios, aperfeiçoar o homem, melhorar a natureza humana, procurar o caminho em direcção à sabedoria. Assim se cumprem e levam a bom termo as potencialidades do ser humano.

Os sábios chineses comparam o trabalho de aperfeiçoamento de si ao do artesão que transforma, pouco a pouco, uma pedra num objecto extremamente refinado, esmerando-se até ao mais pequeno detalhe. Quando nascemos somos esta matéria bruta; para fazer emergir e dar forma às potencialidades que ela encobre e para se tornar um ser humano digno desse nome, devemos proceder a um paciente trabalho de cinzelagem e polimento. O nosso maior adversário neste trabalho de ourivesaria é a preguiça mental. Os nossos maiores aliados: a atenção, a disciplina e a perseverança.

A aprendizagem é, assim, uma experiência sem limites para connosco próprios que deverá ser periodicamente avaliada. Nesse sentido foi feita uma pesquisa, no Brasil, que partiu da seguinte questão: “O que aprendeu, na sua vida, de mais valioso, até hoje?”

Eis algumas das respostas que nos convidam a reflexões:

- “Aprendi que, não importa quanto eu queira, nem quanto tente: Eu não consigo mudar ninguém. As pessoas são o que elas são. É preciso amá-las pela sua verdade, não pelo que elas forem. Entendi isso aos 70 anos, na missa das minhas bodas de ouro.

- Aprendi que o sorriso é contagiante. Não espero que as pessoas me cumprimentem, faço questão de saudar todo o mundo com um sorriso, todos os dias. É incrível, mas até as pessoas tímidas ou sisudas sorriem de volta e dizem bom dia.

- Aprendi que as coisas são sempre piores na nossa cabeça do que na realidade. Sofria demais por antecedência, imaginando “e se” isso, “e se” aquilo. Quando acontecia, não era nada demais. O pior já havia passado e foi dentro de mim.”

Aceitar, tomar a iniciativa, confiar... A aprendizagem é fonte de alegria em si e por si mesma.

 

Soube-me bem: Deitar-me na relva, contemplar a lua, o céu estrelado e lembrar-me destas palavras de Leopardi que me acompanham desde que as li há 10 anos:

“E quando olho no céu arder as estrelas

Digo pensando para mim:

Para quê tantas candeias?

Que faz o ar infinito e aquele profundo infinito sereno?

Que quer dizer esta solidão imensa? E eu que sou?”

 

Agradeço: O profundo infinito sereno.


PROPONHO PARA REFLEXÃO

Perguntar-se, de tempos a tempos, o que de importante aprendeu. A aprendizagem precisa ser identificada, amadurecida na alma e comemorada no coração.

publicado por descobrirafelicidade às 00:04
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Portfolio da felicidade

Amizade, respeito e liber...

Magnolia

Recursos emocionais renov...

Três lições do Tao

A bagagem da outra pessoa

Nostalgia

Encontrar o nosso "apelo ...

Coerência interna

Autonomia interior

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009



“Tenho uma missão, embora pequena: Ajudar outros que, como eu, andam à procura, quanto mais não seja pelo facto de lhes garantir que não estão sós.”

Herman Hesse

tags

todas as tags