Domingo, 16 de Maio de 2010

Amizade, respeito e liberdade

“Creio que a amizade, como o amor do qual ela participa, exige quase tanta arte como uma figura de dança bem conseguida. É preciso muito entusiasmo e muita contenção, muitas trocas de palavras e muitos silêncios. E sobretudo, muito respeito – esse sentimento da liberdade dos outros, da dignidade dos outros, a aceitação sem ilusões, mas também sem a menor hostilidade ou o menor desprezo por um ser tal como ele é.”

Marguerite Yourcenar

 

A amizade que nos ilumina é a que compreende que o amigo é livre para fazer e ser. Por vezes, quando nos sentimos inseguros procuramos a segurança no exterior agarrando-nos à pessoa mais próxima como se de uma muleta se tratasse. Devemos lembrar-nos sempre que ninguém é nossa propriedade. Há relações que morrem por asfixia. O caminho da amizade é um caminho de respeito e liberdade.

Deixo uma história já bem conhecida, mas que gosto muito de relembrar.

 

“Certo dia, um rapaz de 13 anos passeava pela praia com a mãe. A dado momento, olhou para ela com insistência e perguntou:

- Mamã, o que poderei fazer para conservar um amigo que tive muita sorte em encontrar?

A mãe pensou durante alguns momentos, inclinou-se e recolheu um pouco de areia com as mãos. Com as palmas viradas para cima, apertou um punho com força. A areia escapou-se entre os dedos. E quanto mais apertava o punho, mais a areia escapava. A outra mão, pelo contrário permanecia bem aberta: Nela a areia que tinha apanhado mantinha-se intacta.

O rapaz observou maravilhado o exemplo que a mãe lhe dava, compreendendo que apenas com abertura e liberdade se pode manter uma amizade e que o facto de tentar retê-la ou encerrá-la significa perdê-la.”

 

Soube-me bem: Ver este vídeo

Ouvir e recordar Nina Simone

Agradeço: A liberdade da amizade.

 

PROPONHO PARA REFLEXÃO

 

Estas palavras de Francesco Alberoni:

Nenhuma forma de amor tem tanto respeito pela liberdade do outro como a amizade.Esta chega a pontos de extrema delicadeza. Por exemplo, se um amigo fez qualquer coisa por nós, qualquer coisa que tenha sido útil, ficar-lhe-emos reconhecidos, mas evitaremos perguntar-lhe porque o fez. O amigo não me deve dar explicações. É perfeitamente correcto que eu não as procure. Não devo analisar o seu comportamento, tentar encontrar as suas motivações. O acto do amigo deve manter-se, até ao mais profundo, um acto livre. Se eu procurar explicações, posso sempre encontrar uma razão, uma  justificação, um interesse. (…) O acto apenas é livre antes de ser completado. Até ao ultimo momento podemos faze-lo, ou não, e ninguém sabe aquilo que escolheremos. Por isso, não nos interroguemos sobre porque é que o amigo agiu assim. Porque nós queremos sempre considerá-lo livre, no acto criador de vida, quando tudo era possível, e ele livremente escolheu assim."

publicado por descobrirafelicidade às 13:57
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 9 de Maio de 2010

Recursos emocionais renováveis

“Sê feliz durante um instante

Esse instante é a tua vida”

Omar Khayyam

 

“Tenta cada dia ter mais emoções positivas que negativas e converter-te-ás num ser humano melhor.”

Dalai Lama

 

A escassez constitui o principal problema económico. Os recursos naturais são escassos, muitos deles não renováveis, enquanto as necessidades individuais e colectivas acompanham o desenvolvimento e são ilimitadas.

O problema fundamental da Economia reside justamente na multiplicidade das nossas necessidades perante a escassez de recursos capaz de as satisfazer.

É necessário realizar escolhas, ponderar as diferentes aplicações alternativas dos recursos e escolher a melhor dessas aplicações. É na gestão eficiente dos recursos escassos que consiste a racionalidade económica.


Estas são palavras que os meus alunos ouvem repetidamente, pois é sobre o problema da escassez que recai, na sua essência, o estudo da Economia: Se os recursos disponíveis não fossem escassos o estudo da Economia não seria necessário.

Também no nosso mundo afectivo existem recursos que têm limites e dependem da forma como os gerimos. “Por exemplo, uma boa gestão dos nossos recursos emocionais levará a que as nossas fontes de energia – as expectativas, a automotivação ou a alegria – sejam energias renováveis e que outras – como a ira, a inveja e o medo – sejam energias recicláveis.

Uma gestão incorrecta, pelo contrário, pode levar a que a ira derive em ressentimento e em ódio e que a energia que esses sentimentos produzem se perca ou seja utilizada para destruir. Os nossos afectos são materiais delicados que não podem ser utilizados de qualquer maneira. De nós depende efectuar a sua gestão inteligente.” (Jaume Saulier, Mª Mercê Conangla)

Existe uma pequena sigla “emocional” que, se aprendermos a gerir o mais cedo possível, nos ajudará a potenciar as emoções positivas, criar um pensamento optimista e criativo. A sigla é: SARD. Diz-nos que os comportamentos S (serenidade, silêncio, sabedoria, sabor, sexo, sonho, sorriso) promovem secreções de serotonina e geram atitudes A (ânimo, amor, apreço, amizade, aproximação). Por outro lado, os comportamentos R (ressentimento, raiva, rancor, recriminação, resistência, repressão) fomentam a secreção de cortisol, uma hormona corrosiva para as células que acelera o envelhecimento e gera atitudes D (depressão, desânimo, desespero, desolação).

Está, em grande parte, nas nossas mãos gerir da melhor forma os nossos recursos emocionais, investir a nossa energia no desenvolvimento do nosso potencial. Uma sugestão, para começarmos, será a de nos centrarmos nas emoções positivas anotando o tempo verdadeiramente vivido, tal como na história que passo a transcrever e que é a minha PROPOSTA DE REFLEXÃO de hoje.

 

“Era uma vez… um homem que andava em peregrinação pelo mundo prestando atenção ao que ia vendo. Um dia chegou à povoação de Kammir. Antes de lá entrar, reparou num pequeno caminho que o chamou à atenção pelo facto de estar coberto de árvores e de flores. Seguiu por ele e foi dar a uma cerca de madeira com uma porta de bronze entreaberta, como se o convidasse a entrar.

O homem transpôs o umbral e começou a caminhar lentamente entre as pedras brancas distribuídas entre as árvores como que ao acaso. Era o cemitério daquele lugar. Baixou-se para olhar uma inscrição e leu: Abdul Tareg viveu 8 anos, 6 meses e 3 dias. O homem sentiu pena da criança que morrera tão jovem e, com curiosidade, foi lendo as lápides que estavam à sua volta. Qual não foi o seu espanto quando se apercebeu de que a pessoa enterrada que vivera mais tempo tinha apenas onze anos. Terrivelmente abatido, sentou-se reflectindo sobre que estranha desgraça poderia ter sido a causa da morte de tantas crianças, quando um velho se dirigiu a ele e lhe perguntou o que se passava.

- O que é que aconteceu nesta povoação? Porque estão tantas crianças enterradas neste local? Que terrível maldição caiu sobre vós?

- Fique tranquilo, bom homem – disse o velho. – Não existe qualquer maldição. O que acontece é que na nossa cultura, quando um jovem faz quinze anos os pais oferecem-lhe um pequeno caderno como o que aqui tenho. A partir dessa idade, cada vez que desfrutamos realmente de algo, ou vivemos um momento especial ou intenso, sentimos amor, paz ou felicidade, anotamos no caderno essa vivência indicando quanto tempo durou. Assim vamos fazendo todos nós e, quando morremos, somam o tempo que vivemos em plenitude de sentido e consciência e anotam na lápide. Este é, meu amigo, o único tempo vivido.”

 



publicado por descobrirafelicidade às 00:04
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Domingo, 25 de Abril de 2010

A bagagem da outra pessoa

Hoje tinha pensado escrever sobre outro assunto, mas a leitura do último post da minha amiga Joana remeteu-me para algo que com ele se relaciona: O julgamento e a vontade que temos, muitas vezes, de interferir nas vidas dos outros.

----------------------------------------------------------------------------
“Um sujeito colocava flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês a colocar um prato de arroz na lápide ao lado. Vira-se então para o chinês e pergunta:
Desculpe, mas o senhor acha mesmo que o defunto virá comer o arroz?
E o chinês responde:
Sim, quando o seu vier cheirar as flores!!!”

 

Esquecemo-nos, frequentemente, que somos diferentes, que agimos e pensamos de forma diferente. Muitas vezes, não respeitamos essa diferença e JULGAMOS pura e simplesmente o outro, sem sequer tentar compreender. Classificamos, rotulamos… Avaliamos constantemente as coisas como certas ou erradas, boas ou más. Este julgamento constante leva-nos, por vezes, a tentar controlar os outros, intrometendo-nos na sua vida, com a presunção de que, melhor do que eles, sabemos qual será a melhor forma de seguirem o seu caminho. Pensamos que o outro é portador de uma determinada bagagem, temos a presunção de saber com que bagagem viaja, imiscuímo-nos na sua vida e insistimos em dizer-lhe o que deve levar. Esquecemo-nos que, nem sempre, a bagagem do outro é aquela que pensamos ser.

 

Eis uma história de Jorge Bucay sobre este tema:

Conta-se que uma senhora argentina foi comprar dois bilhetes para um voo de primeira classe entre Buenos Aires e Madrid. Quando o empregado da agência se apercebeu que o acompanhante da senhora era um macaco, a companhia aérea opôs-se a que um macaco viajasse em primeira classe e não aceitou o argumento da senhora que afirmava que, se pagava, podia decidir com quem viajava e para onde. No entanto, a senhora tinha bastante influência e conseguiu que o macaco fosse como acompanhante, numa caixa especial coberta de lona, numa zona das hospedeiras do avião, em vez de ir no porão da bagagem.

Embora de má vontade, a senhora aceitou e no dia do voo chegou ao avião com uma jaula coberta por uma lona sobre a qual se via bordado o nome “Frederico”. Ela mesma tratou da jaula, certificando-se de que ficava bem arrumada e despediu-se dizendo: “Em breve estaremos na tua terra Frederico, tal como prometi ao Joaquim.”

A meio da viagem, uma hospedeira lembrou-se de dar uma banana e água ao macaco e, ao levantar a lona, apercebeu-se de que o animal estava morto. Rapidamente, avisou os colegas de bordo que contactaram a empresa a pedir instruções. Foram informados de que era necessário que a senhora não se apercebesse de nada, uma vez que eram os seus postos de trabalho que estavam em jogo. Resolveram então substituir o macaco por outro vivo quando chegassem a Madrid (depois de terem enviado a fotografia de Frederico para proceder à substituição). Assim o fizeram: Deram alguns retoques ao macaco vivo e levaram o cadáver de Frederico. Ao descer do avião, a senhora reclamou a jaula à tripulação. Suspirando, a senhora ao dizer que finalmente tinham chegado, levanta a lona e espantada afirma que aquele não é Frederico. Quando lhe respondem que ela está enganada pois todos os macacos são iguais, a senhora observa que Frederico estava morto e ela o levava para o enterrar em Espanha, tal como tinha prometido ao seu marido antes de este falecer.

 

É essencial ter consciência de que não sabemos com que bagagem viaja a outra pessoa e respeitarmos a liberdade e o espaço de que necessita.

 

Soube-me bem: Reler Walt Whitman - "Do I contradict myself? /Very well then I contradict myself,/ (I am large, I contain multitudes.)"

 

Agradeço: As minhas contradições, a diversidade em mim.

 

PROPONHO PARA REFLEXÃO

Estas palavras de Deepak Chopra:

“O não-julgamento cria um silêncio no nosso espírito. Portanto, é uma boa ideia começar o dia com esse propósito. E durante o dia, recorde-se desse propósito sempre que se aperceber que está a fazer um julgamento. Se lhe parecer demasiado difícil manter este procedimento durante todo o dia, pode apenas decidir para si próprio: Durante as próximas duas horas não vou fazer julgamentos sobre nada. Depois, vá aumentando, pouco a pouco, o tempo da duração da experiência."

O silêncio no nosso espírito contribui para o nosso desenvolvimento pessoal e este para a nossa felicidade.

publicado por descobrirafelicidade às 10:31
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

O enigma do bandido

Do  livro "20 passos para a felicidade" de Jorge Bucay, eis "O enigma do bandido":

 

“Imagine que existe um banco que todas as manhãs credita na sua conta a avultada quantia de 86 400 euros. Nem mais, nem menos: 86 400 euros diários para seu usufruto, sem que ninguém lhe peça explicações, ou lhe exija que preste contas; 86 400 euros livres de impostos e para seu uso pessoal.

Imagine que a única restrição da conta bancária que lhe foi atribuída é o facto de, por uma incapacidade do sistema ou por uma decisão do donatário, não manter os saldos de um dia para o outro.

Todas as noites, ao bater da meia-noite, como acontecia com a carruagem da Cinderela, que se transformava de novo numa abóbora a conta bancária elimina automaticamente a quantia que tinha no seu saldo. Mais grave ainda, também se desvanece cada euro levantado da conta que não tenha sido gasto ao longo do dia.

Se não perder uma parte do saldo, fica-lhe o consolo de, no dia seguinte, lhe serem depositados novamente mais 86 400 euros, que poderá gastar como lhe aprouver. No entanto, não pode sentir-se demasiado seguro, porque não sabe durante quanto tempo se manterá esta dádiva.

Que atitude tomaria?

Certamente gastaria todos os euros e desfrutaria desse dinheiro com quem quisesse, claro.

-Cada um de nós – disse eu a Ricardo – possui essa conta e essa dádiva.

Todos os dias o banco do tempo coloca à nossa disposição 86 400 segundos e todas as noites o banco apaga o saldo e considera-o perdido.

O banco não aceita cheques pré-datados nem permite contas a descoberto.

Se não usarmos o depósito do dia, quem perde somos nós.”

 

Termino com as palavras do post de hoje do docerefugio.blogs.sapo.pt/:

"Que façamos de cada dia da nossa efémera existência uma vitória!"

 

Soube-me bem: O reenvio do e-mail do "Principezinho - pedacinhos" acompanhado   destas palavras da minha amiga Eduarda:

Há amizades feitas de distância

Que mesmo longe nos fazem rir ou chorar

Cada palavra ganha importância

Cada email pode algo transformar…

Pois apesar da distância se manter

Há alguém que de nós se está a lembrar.

 

Foi inspirador: Ler o post do "Doce Refúgio". Foi ele que me levou ao post de hoje.

 

Agradeço: À Nucha (http://treschavenasdecha.blogs.sapo.pt/) e Sheila (docerefugio.blogs.sapo.pt/) fazerem-me lembrar que:

Existir é celebrar a mágica oportunidade de viver a vida como um presente.

 

publicado por descobrirafelicidade às 09:57
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Amizade, respeito e liber...

Recursos emocionais renov...

A bagagem da outra pessoa

O enigma do bandido

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Descobrir a Felicidade

O tema da felicidade tem dominado os livros, estudos académicos e palestras dos últimos tempos. Inunda campos que vão desde a filosofia política, psicologia, sociologia e literatura até modelos económicos. Procura-se a “fórmula da felicidade” e a solução da “equação da felicidade”. As sociedades modernas parecem ter submergido ao “dever da felicidade”. Esta moda da felicidade em conjunto com a retórica dos livros de auto-ajuda e do pensamento positivo quase me afastou deste projecto que, paradoxalmente, teve o seu embrião justamente com ela: Construir um “portfolio da felicidade”. Muito do que li ajudou-me, de facto, a ter consciência da minha felicidade e a experimentar com maior frequência estados de profundo bem-estar. Partilhar aquelas que considero serem as fontes essenciais da felicidade tornou-se uma prioridade. Cada um é “feliz à sua maneira”, mas a “porta da felicidade abre para fora”, como nos diz Kierkegaard, e gostaria que a “minha” (resultado de tantas outras) fosse uma porta que se abrisse a todos aqueles a quem a casa da felicidade possa acolher.




“L`hiver a cessé: la lumière est tiède
Et danse, du sol au firmament claire.
Il faut que le cœur le plus triste cède
A l`immense joie éparse dans l`air. »

Paul Verlaine


“A conversa com um amigo, a descoberta de um livro, uma gravura, uma visita a um museu, o contacto com a música podem significar momentos de grande apaziguamento, de grande serenidade, de grande enriquecimento interior. É nisso que consiste a felicidade, quando há uma coincidência entre aquilo que nós somos e o Mundo em que estamos.”
Mário Claudio


“Happiness comes from the capacity to feel deeply, to enjoy simply, to think freely, to risk life and to be needed."
S. Jameson





“Tenho uma missão, embora pequena: Ajudar outros que, como eu, andam à procura, quanto mais não seja pelo facto de lhes garantir que não estão sós.”

Herman Hesse

tags

todas as tags