Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

Chesterton

“O teste da felicidade é a gratidão.”

 

                                                 G. K. Chesterton

 

G.K. Chesterton escreveu cerca de cem livros sobre fé, filosofia, biografia, poesia, análise social e política. Caracterizava-o um sentimento de deslumbramento perante a vida: Permaneceu, ao longo de toda a sua existência, maravilhado como uma criança pela presença de todas as coisas.

A sua gratidão manifesta-se em todos os seus escritos. Neles insiste continuamente em não dar por adquirido aquilo que somos, vemos e temos.

No seu livro Ortodoxia Chesterton diz-nos:

“O teste de toda a felicidade é a gratidão. As crianças ficam gratas quando o Pai Natal põe brinquedos ou doces na sua meia de Natal. Não deveria eu ficar agradecido ao Pai Natal quando ele coloca o maravilhoso presente que é ter duas pernas? Agradecemos às pessoas as prendas de aniversário… Posso expressar a minha gratidão por essa prenda de aniversário que é o nascimento?”

O que podemos fazer para ser felizes? Recuperar o espanto e a alegria pelas coisas comuns: Agradecer todos os dias a novidade de cada dia.

 

Soube-me bem: O banho de mar a meio da tarde.

 

Foi inspirador: Ler esta poesia de Chesterton:

 

                  "Uma vez encontrei um amigo

                   "Sou afortunado", disse, "foi feito para mim".

                    Mas agora encontro mais e mais amigos

                    que parecem ter sido feitos para mim

                     e ainda um e mais outro, feito para mim.

                     É possível que todos nós por toda a terra,

                    sejamos feitos um para o outro?"

 

Agradeço: Todos os amigos "feitos para mim."

 

 

 

 

publicado por descobrirafelicidade às 19:39
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Caminhando... a 25 de Setembro de 2009 às 21:24
Olá Teresa :)
Sabes, entrar neste teu cantinho faz-me bem! É como que uma lufada de ar fresco, a sério!

Mais um post muito interessante. Sabes, tão que era se todos nós conseguissemos sentir-nos agradecidos pela, no fundo, dádiva que é poder viver e estar presente neste tão belo e complexo mundo.
Mas existe sempre o desejo de mais e mais... A ambição é saudavel, desde que esta não nos faça deixar de ver tudo o que nos rodeia, fazendo-nos valorizar o que temos.

Beijinhos, um bom fim de semana e um sorriso
De descobrirafelicidade a 25 de Setembro de 2009 às 22:40
Que bom sentires-te aqui bem Joana. Deste-me mais um momento de felicidade hoje. E é como dizes: "tão bom que era se todos nós conseguissemos sentir-nos agradecidos pela, no fundo, dádiva que é poder viver e estar presente neste tão belo e complexo mundo." De acordo com Chesterton temos sempre a oportunidade de ser felizes "porque em cada esquina aguarda-nos a surpresa de uma nova dádiva, e saberemos recebê-la se conseguirmos dominar a nossa tendência natural para tomar as coisas como garantidas, e para nos acharmos com direito a tudo."
Há uns tempos li um livro de Tal Ben-Shahar "Aprenda a ser feliz". Não sei se já leste. Está aí por todo o lado e agora ainda mais porque ele esteve cá em Lisboa no dia 21 a dar uma conferência. Eu estava com algumas reticências porque começo a ficar farta de ver tantos livros com receitas de felicidade, mas foi um livro que valeu a pena ler. Muito simples, sem ser simplista, consegue dar-nos algumas ferramentas que permitem, de facto, ajudar-nos a ser mais felizes. Um dos conselhos que ele nos dá é meditar, à noite, antes de adormecer, em silêncio, nas 5 melhores recordações do dia e anotá-las num "diário da gratidão". Ajuda realmente a valorizar as pequenas vitórias e a celebrar as nossas alegrias.
Um bonito fim de semana para ti também.
De Caminhando... a 27 de Setembro de 2009 às 12:42
Bom dia!
Já ouvi falar desse livro mas não, ainda não o li. Também estou como tu, um pouco saturada de tanto livro de auto-ajuda que na sua maioria, não passam de belas frases.
Essa conselho é realmente importante para que valorizemos o que temos, em vez de nos lamentarmos pelo que não temos...

Sabes, à noite, antes de dormir, aproveito o momento de silencio que envolve e, antes passam-me sempre pela cabeça todas as pessoas de quem gosto. Não programei faze-lo mas, é a minha maneira de os manter perto de mim, para que assim consiga dormir descansada. Talvez comece a fazer o que esse senhor propoe.

Beijinhos e uma excelente domingo, Amiga Teresa :)
De descobrirafelicidade a 27 de Setembro de 2009 às 12:59
Bom dia Joana

Estava aqui a escrever o post inspirado por ti (que vou ter de interromper para fazer o almoço) e ouvi o toque do mail a anunciar as tuas palavras. Resolvi responder-te logo porque se guardar para quando acabar o post perde a graça que mais uma vez teve para mim o facto de estarmos tão em conexão (eu ainda por cima sou super lenta no computador).
Que linda essa forma de manteres as pessoas de quem gostas perto de ti. Creio que não precisas fazer mais nada. O teu terno coração já te leva, por ele mesmo, ao caminho da felicidade. Um excelente domingo para ti também Amiga Joana
De Caminhando... a 28 de Setembro de 2009 às 21:33
Um beijinho grande e, obrigada pelas tuas palavras :)

Beijinhos

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Portfolio da felicidade

Amizade, respeito e liber...

Magnolia

Recursos emocionais renov...

Três lições do Tao

A bagagem da outra pessoa

Nostalgia

Encontrar o nosso "apelo ...

Coerência interna

Autonomia interior

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Descobrir a Felicidade

O tema da felicidade tem dominado os livros, estudos académicos e palestras dos últimos tempos. Inunda campos que vão desde a filosofia política, psicologia, sociologia e literatura até modelos económicos. Procura-se a “fórmula da felicidade” e a solução da “equação da felicidade”. As sociedades modernas parecem ter submergido ao “dever da felicidade”. Esta moda da felicidade em conjunto com a retórica dos livros de auto-ajuda e do pensamento positivo quase me afastou deste projecto que, paradoxalmente, teve o seu embrião justamente com ela: Construir um “portfolio da felicidade”. Muito do que li ajudou-me, de facto, a ter consciência da minha felicidade e a experimentar com maior frequência estados de profundo bem-estar. Partilhar aquelas que considero serem as fontes essenciais da felicidade tornou-se uma prioridade. Cada um é “feliz à sua maneira”, mas a “porta da felicidade abre para fora”, como nos diz Kierkegaard, e gostaria que a “minha” (resultado de tantas outras) fosse uma porta que se abrisse a todos aqueles a quem a casa da felicidade possa acolher.




“L`hiver a cessé: la lumière est tiède
Et danse, du sol au firmament claire.
Il faut que le cœur le plus triste cède
A l`immense joie éparse dans l`air. »

Paul Verlaine


“A conversa com um amigo, a descoberta de um livro, uma gravura, uma visita a um museu, o contacto com a música podem significar momentos de grande apaziguamento, de grande serenidade, de grande enriquecimento interior. É nisso que consiste a felicidade, quando há uma coincidência entre aquilo que nós somos e o Mundo em que estamos.”
Mário Claudio


“Happiness comes from the capacity to feel deeply, to enjoy simply, to think freely, to risk life and to be needed."
S. Jameson





“Tenho uma missão, embora pequena: Ajudar outros que, como eu, andam à procura, quanto mais não seja pelo facto de lhes garantir que não estão sós.”

Herman Hesse

tags

todas as tags